btnHelp



5 curiosidades sobre a indústria paranaense

Segundo pesquisa divulgada pela Federação das Indústrias do Estado do Paraná (FIEP), a indústria paranaense tem se recuperado gradualmente nos últimos meses. Em março, o Paraná registrou superávit deUS$ 580 milhões, impulsionado, principalmente, pelo bom desempenhodas exportações da indústria de carnes, madeira e celulose e automotiva. 

De acordo com outro estudo, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a indústria paranaense é responsável por 25,5% do Produto Interno Bruto (PIB) do estado. É osegundo setor mais rentável, superado apenas pelo setor deserviços.

Além disso, o Paraná possui cerca de 50 mil estabelecimentos industriais, de 32 segmentos, que geram 760 mil empregos. Esses dados demonstram o quão importanteé o papel da indústria para o desenvolvimento do estado e do país. Por isso, selecionamos 5 curiosidadespara que você entenda um pouco mais sobre o tema. Confira:

 

1. Panificação é um setor industrial

Pouca gente sabe, mas a panificação também é um setor industrial, voltado para o comércio do atacado. A produção de grandes quantidades de pães embalados e congelados, como os panetones, as massas de pizza e vários outros produtos, garantem a competitividade do setor. 

O setor de panificação é bastante concorrido. De acordo com dados de 2015, em todo o Brasil existem mais de 63 mil padarias, das quais, 96% são micro e pequenas empresas. No Paraná, disputam a preferência dos consumidores cerca de 4500 padarias, das quais, 1600 estão localizadas em Curitiba. 

O setor fatura, aproximadamente, R$ 1,2 bilhão por ano no estado e gera 37 mil empregos diretos e 80 mil indiretos.

 

 

2. Indústria audiovisual registra crescimento extraordinário

Com um mercado que emprega 98 mil pessoas em todo o país, o setor audiovisual brasileiro gera R$ 25 bilhões ao ano, uma fatia equivalente a 0,46% do PIB brasileiro. Nas últimas décadas, a produção audiovisual nos países da América Latina tem experimentado um crescimento extraordinário. Em 1992, o Brasil lançou apenas três filmes no circuito exibidor e a Argentina, somente dez. Já em 2017, foram lançados 158 filmes brasileiros e 217 longas argentinos, sendo a Argentina uma referência para o cinema na América Latina.

No Paraná, a produção audiovisual, hoje, deve ser vista realmente como indústria, que gera empregos e ocupa o quarto lugar em arrecadação de impostos no Brasil. O estado está muito bem representado, e não só pela sua capital, mas, também, por outros municípios, como Foz do Iguaçu e Londrina, por exemplo. 

 

3. Indústria da moda paranaense é destaque no país

A cada ano, a indústria da moda paranaense ganha mais destaque no cenário nacional – o Paraná já é o segundo maior pólo de confecção em volume de produção, ficando atrás apenas de São Paulo. 

Somente no sudoeste paranaense, existem cerca de 400 indústrias em 32 dos 42 municípios da região, segundo dados de 2015.

Além disso, Apucarana é considerada a capital do boné, responsável por 90% da produção nacional; Terra Roxa é a capital da moda bebê – o setor é responsável por 30% da economia do município e emprega, direta e indiretamente, mais de 3,5 mil pessoas; e Cianorte é a capital do vestuário, onde existem mais de mil marcas de roupas.

 

4. Construção civil é responsável por mais da metade das vagas de emprego do Paraná

Muita gente não faz nem ideia, mas a construção civil é um dos principais setores industriais do Paraná e do país. As atividades definidas dentro deste setor geram expressivo efeito multiplicador na economia. Segundo informações do Ministério do Trabalho, o setor foi responsável por mais da metade (50,4%) das vagas de emprego formais abertas no estado em julho deste ano, registrando a maior variação positiva desde 2014.

 

 

5. Indústria farmacêutica vem crescendo cada vez mais

A indústria farmacêutica está em constante ascensão no mercado econômico. Esse crescimento é impulsionado pelo aumento da expectativa de vida, maior preocupação com a saúde, avanços tecnológicos, crescimento no mercado de genéricos, gestão competitiva das indústrias, lançamento de novos produtos, avanço da biotecnologia, fusões e aquisições, entre outros fatores.

A comercialização de medicamentos genéricos alcançou a liderança no volume de vendas, com representatividade de 32,4% do mercado. 

 

 

MasaNews, 06 de dezembro de 2018