btnHelp



Informalidade no trabalho faz Brasil perder R$ 382 bilhões em arrecadação

Montante equivale a 5,6% do PIB. Dieese afirma que o governo, sabendo das razões do avanço desse tipo de ocupação, insiste em "reforma" da Previdência que retira mais direitos dos trabalhadores e prejudica contribuições.

Com Estado deixando de arrecadar com a informalidade, contribuições na Previdência são puxadas para baixo, o que demanda crescimento econômico - ARQUIVO EBC

 

O Brasil deixou de arrecadar, em 2018, cerca de R$ 382 bilhões em tributos devido à economia informal, o equivalente a 5,6% do Produto Interno Bruto (PIB), de acordo com levantamento realizado pela economista Vilma da Conceição Pinto, pesquisadora do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV). Os dados mostram que a perda de arrecadação com a informalidade avançou, em relação a 2017,  em decorrência da grave recessão e da lenta recuperação da economia, em que crescem apenas postos de trabalho sem proteção legal, ou seja, informais.

Só no início deste ano, o IBGE apontou recorde de 11,2 milhões de empregados, outros 23,3 milhões autônomos e 6,2 milhões de trabalhadores domésticos, menos de um terço com carteira assinada.

Em entrevista à jornalista Marilu Cabañas, da Rádio Brasil Atual, o diretor técnico do Dieese, Clemente Ganz Lúcio, explica que o aumento no número de postos de trabalho informais tem uma repercussão negativa sobre o governo federal, estadual e municipal, que deixam de arrecadar com a falta de registros das empresas, além de causar impactos também na Previdência Social, que perde em contribuições. Segundo Clemente, com uma política mais voltada ao crescimento econômico e à formalização trabalhista, o governo não teria dificuldade em financiar o regime previdenciário.

“O governo olhando para esse problema, ao invés de retomar o crescimento e recuperar a receita da Previdência, faz um projeto para arrochar direitos dos trabalhadores, cortando benefícios, tirando a proteção previdenciária especialmente daqueles que têm os menores rendimentos”, critica, em referência à “reforma” da Previdência que tramita no Congresso e que, de acordo com o diretor técnico, deve agravar ainda mais esse cenário de perdas econômicas no Brasil.

 

Clique aqui e ouça a íntegra da entrevista

 

RBA, 12 de junho de 2019